quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

João e a jibóia chama ortografia

Até os anos 1930
João acorda na manhan de sabbado, começa a tomar seu cafèzinho, mas percebe signais de uma jibóia, prompta para dar o bote. Êle pára, olha e tenta sahir tranqüilamente da sala, sem assustal-a. Vizinhos o vêem correndo pela auto-estrada e oferecem abrigo na egreja.

Até os anos 1970
João acorda na manhã de sábado, começa a tomar seu cafèzinho, mas percebe sinais de uma jibóia, pronta para dar o bote. Êle pára, olha e tenta sair tranqüilamente da sala, sem assustá-la. Vizinhos o vêem correndo pela auto-estrada e oferecem abrigo na igreja.

Até 2008
João acorda na manhã de sábado, começa a tomar seu cafezinho, mas percebe sinais de uma jibóia, pronta para dar o bote. Ele pára, olha e tenta sair tranqüilamente da sala, sem assustá-la. Vizinhos o vêem correndo pela auto-estrada e oferecem abrigo na igreja.

A partir de 2009
João acorda na manhã de sábado, começa a tomar seu cafezinho, mas percebe sinais de uma jiboia, pronta para dar o bote. Ele para, olha e tenta sair tranquilamente da sala, sem assustá-la. Vizinhos o veem correndo pela autoestrada e oferecem abrigo na igreja.

Faça a sua parte: adote um Trema

Era uma vez, num país não tão distante, um sujeito muito trabalhador. Dedicava-se como ninguém a cumprir sua função, e olha que nem sempre ele era reconhecido por isso.
Seu nome era Trema. Ele vinha de uma grande família de sinais gráficos famosa na Alemanha, na França, na Suécia e em Portugal. De Portugal, ele havia emigrado ainda jovem para o Brasil, junto com outros colegas, como a Crase e o Acento Agudo. Alguns destes colegas tinham apelidos: o Acento Circunflexo, por exemplo, todos chamavam de Chapeuzinho. Mas o Trema sempre se considerou uma pessoa importante, que não podia correr o risco de se vulgarizar, e por isso nunca adotou um apelido.
A tarefa do Trema? Era das mais importantes. Ele era responsável por ensinar aos falantes da língua, especialmente aos leitores de um texto escrito, a pronúncia correta das palavras. Nesta profissão, o Trema acabou encontrando e fazendo ótimos amigos. Durante anos, foi sempre visto de mãos dadas com uma turma de ditongos.
Acontece que havia gente que olhava o Trema com cara feia. No começo, ele não se importava. Nunca fizera mal a quem quer que fosse! Nunca sequer se divertira assustando vestibulandos – alguns de seus colegas, como o Acento Grave, gostavam de fazer isso, mas não ele! Porém, com o tempo e com as repetidas injustiças de que era vítima, aquilo passou a incomodá-lo.
Começou aos poucos, na surdina. Veio na escalada do crime que acometia as grandes cidades do país. Jornais e periódicos passaram a seqüestrar o Trema que havia na palavra seqüestro. Sequestro.
A princípio, ninguém se deu conta. Quando perceberam, ao invés de chamarem a polícia e resgatarem o pobre seqüestrado, usaram o fato como arma: esse Trema é tão inútil que ninguém sente falta dele!
E então veio o movimento. Passeatas. Abaixo-assinados de estudantes de Língua Portuguesa que tinham senhoras gordas e carrancudas como professoras. Pressionaram a Academia. Esta enviou um memorando ao Governo. O Governo se fechou numa reunião séria e debateu, debateu. Criaram um Grupo de Trabalho. Anos e anos de discussão, atividade de lobistas, jogo de interesses. E o Ministério dos Sinais Gráficos veio com a sentença.
– O Trema, meliante de notória atividade subversiva, fica condenado ao exílio perpétuo, devendo deixar este país em primeiro de janeiro. Caso se recuse a cumprir a pena, as Autoridades Literárias têm o aval para utilizar a força buscando o extermínio definitivo do Trema. Outros sinais gráficos que tenham tido contato com o condenado, como o Acento Agudo e o Acento Circunflexo, passam a serem considerados subversivos e fica proibida sua presença em assembléias, vôos, sobrevôos e afins.
Imaginem o desespero do coitado do Trema! Ele, que nunca fizera mal a ninguém! Expulso de um país que ele amava tanto! Proibido de fazer o trabalho que ele tanto amava!
O Trema passou meses deprimido, sem saber o que fazer. Até que, num canal da televisão, viu por acaso a palestra de um especialista em mercado (ou marketing, como dizem em português). Tratava-se de um consultor aparentemente muito famoso, que fez uma longa explanação sobre nichos de mercado, planejamento estratégico, foco no cliente, tempestades cerebrais e, por fim, sobre como se adaptar ao mercado para manter-se nele.
Vocês acreditam que, neste momento, deu-se um estalo na cabeça do Trema, uma lâmpada se acendeu e ele teve uma idéia? Decidiu sair da letargia. Estava salvo! Mas era preciso diversificar. Pensou em distribuir folhetos explicando sua tragédia pessoal e vendendo sua idéia. Em esquinas. Em ônibus. De porta em porta.
Foi assim que eu recebi um destes folhetos. E aderi à campanha.
Tudo o que o Trema quer é um emprego honesto, ajudar na evolução desta Língua Portuguesa que ele tanto ama, vocês sabem? Longe dele querer ser contra a evolução: ele só quer poder contribuir.
Por isso, o Trema está se oferecendo para, a partir do próximo ano, assumir uma vaga de Dois Pontos. E ele conta conosco. Vejam, ele se dispõe a sair da horizontal e passar os dias na vertical. Ele pede a nossa ajuda. Em primeiro de janeiro, adotem um Trema: não deixem de colocar Dois Pontos em seus escritos.
.
Texto por Eduardo Trindade, numa homenagem a Emília no País da Gramática.Folhetos de cordel fotografados por Eduardo Trindade.